Pesquisar este blog

Carregando...

terça-feira, 23 de março de 2010

TODOS QUEREM BARILOCHE!

Nossa viagem foi assim:

Época: julho *****
Hotel: Panamericano ***
Faixa etária das crianças: 1 a 3 anos *****

Panorâmica do Cerro Catedral (imagem gratuita de http://www.inglaner.com/)

Esse ano, várias famílias de amigos já vieram nos perguntar sobre Bariloche, por isso resolvemos fazer um resumo das nossas impressões. Já faz um tempo que estivemos lá, portanto alguma coisa pode ter mudado. Procure mais informações antes de decidir sua viagem.

Qual é a melhor época?
Bariloche é um dos melhores lugares para uma família fazer sua primeira viagem. Na temporada há voos diretos do Brasil - fretados - que duram apenas 4 horas, o turismo lá é bem estruturado e relativamente organizado (tem que dar um desconto porque é Argentina...), e tem muitos tipos de programas diferentes, para todos os gostos. Fora da temporada, é preciso fazer conexão em Buenos Aires, e dependendo do caso vale até a pena passar uns 2 dias na capital.

Gostamos tanto de Bariloche que já estivemos lá no verão (sem crianças) e no inverno (com e sem crianças). As duas épocas são ótimas: no verão as paisagens são mais intensas e bonitas do que no inverno e o tempo, ameno. É possível fazer quase todos os passeios do inverno - exceto esqui e esqui-bunda - só que com sol e temperaturas agradáveis. Além disso, o passeio até o Cerro Tronador, a montanha mais alta e impressionante da região, normalmente só é possível no verão, pois nos meses frios as estradas ficam intransitáveis. Mas atenção: mesmo no verão não deixe de levar agasalhos para a manhã e o fim do dia, pois quando o sol se põe o frio avança com tudo. Durante o dia, atividades de aventura como rafting, caminhadas e escaladas também podem ser contratadas, mas se você preferir uma viagem mais "contemplativa", com passeios de barco, de ônibus e teleféricos, também tem.

Muita neve: sucesso
entre as crianças
No inverno, por outro lado, tem a neve, que é um sucesso garantido entre as crianças. Se você fizer questão da neve, fique sabendo que no verão não tem. Na cidade a neve é um evento muito raro, mas na maioria dos passeios que sobem as montanhas - Cerro Campanario, Cerro Catedral, Cerro Bayo, Piedras Blancas - você encontrará neve em abundância para brincar com as crianças. O único cuidado no inverno é comprar roupas adequadas. As roupas de aluguel nas lojas são caras e ruins, portanto a melhor opção é comprar mesmo (veja em  http://familiarecomenda.blogspot.com/p/planejando-viagem-com-criancas.html mais dicas sobre roupas de frio).

De pacote ou por conta própria?
Até roupas de neve a CVC
nos emprestou
A melhor forma de comprar uma viagem para Bariloche, em nossa opinião, é através dos pacotes das operadoras. Normalmente é a única maneira de obter um voo direto, pois se você comprar a passagem fora dos fretamentos terá que parar em Buenos Aires. Além disso, os hotéis reservam uma grande quantidade de seus quartos para esses pacotes, de modo que, especialmente em julho, é difícil conseguir reserva independente de um pacote (mas não impossível). Por último, se você está viajando com crianças, principalmente pequenas, indo de pacote você já receberá várias opções de passeios (que, com exceção do Circuito Chico, normalmente são pagos à parte), que você poderá reservar na hora que chega na cidade, e ter programação fácil, variada e muito interessante para toda sua estadia. E, não menos importante, normalmente para Bariloche o custo sai bem mais baixo, e a logística muito mais fácil, do que fazendo tudo por conta própria.

É claro que haverá a desvantagem de ter que andar num ônibus lotado de turistas, sujeitar-se ao atraso das outras pessoas, ficar preso a um roteiro pré-definido, etc, etc. Mas nesse caso achamos que vale a pena, pois de qualquer maneira a maioria de nós só pode ir a Bariloche em julho, que é por si só uma época cheia, então será difícil você ficar isolado dos outros turistas mesmo que vá sozinho.

Convenhamos, Bariloche não é Torres del Paine, ou seja, é uma cidade voltada para o turismo de massa - o qual faz muito bem, diga-se de passagem. Nossa viagem, há alguns anos, foi de CVC e achamos muito organizado e eficiente - até roupas para a neve eles emprestam, para aqueles que não têm. Também já usamos outras operadoras para ir a Bariloche, e todas funcionaram muito bem. Portanto, se escolher uma operadora grande e de boa reputação, você estará em boas mãos.

Onde se hospedar?
Na hora de escolher seu hotel, o centro de Bariloche tem muitas opções de hospedagem a preços acessíveis, mas que nem por isso deixam de ser charmosas e aconchegantes. De qualquer jeito, você passará tão pouco tempo no seu quarto, que o hotel pode até nem fazer tanta diferença. Qualquer que seja sua escolha, se quiser ficar perto de tudo, escolha um hotel na Mitre ou na San Martin/Moreno, e em suas travessas, pois são as ruas mais centrais. De lá, você está a passos dos melhores restaurantes, lojas e chocolaterias.

Llao Llao: luxo de verdade
Se, por outro lado, o que você quer é se refugiar num local charmoso com vistas de tirar o fôlego, os arredores da cidade estão repletos de hotéis de montanha com todas as comodidades. Você pode optar também pelos hotéis do Cerro Catedral - altamente recomendável se estiver pensando em esquiar. Agora, se seu negócio é luxo de verdade, então você pode optar pelo Llao Llao, o hotel mais caro da cidade, que fica afastado de Bariloche e oferece tudo que você puder imaginar, desde spa até campo de golfe. É um lugar caríssimo, feito para os hóspedes se isolarem, não para se integrarem à cidade, pois fica longe do centro.

O que fazer com as crianças?
Em Bariloche não faltam opções de passeios interessantes, principalmente com crianças. Todos os lugares são lindos, oferecendo vistas diferentes e belíssimas, muitas oportunidades para fotos, e muitas vezes isso tudo vem de "brinde" num programa cheio de diversão. Veja os passeios que fizemos:
Piedras Blancas

1. Piedras blancas  (http://www.piedrasblancasbariloche.com/): hit certeiro para as crianças mais ativas. É uma mini-estação, com teleférico e tudo, só que de trenó, ou seja, esqui-bunda. Fica pertinho do centro e é muito divertido! O ingresso dá direito a cada pessoa subir 6 vezes para descer escorregando lá de cima. A vista é bem legal. Reserve meio período para esse passeio. Aparentemente o taxi para Piedras Blancas é bem caro, e o atendimento lá não é dos melhores, de forma que, de acordo com depoimentos na internet, nem cartão de crédito eles aceitam. Então, esse é um bom lugar para você optar pelo passeio das agências, ao invés de ir por conta própria. Também considere levar um lanche ou alimentar-se antes de ir, pois a lanchonete do local é bem precária.
2. Passeio de barco pelo Nahuel Huapi: existem vários passeios que saem das proximidades de Bariloche e cruzam o famoso lago. Há desde passeios curtos para as ilhas próximas, como Isla Victoria e bosque de Arrayanes (bons para crianças pequenas e espíritos menos aventureiros, com vistas maravilhosas), até saídas de um dia todo, chegando à fronteira com o Chile. Todos os passeios são feitos em barcos bons e serviço organizado. As gaivotas, condicionadas ao constante vaivém de barcos, seguem-nos em busca de alimento; virou costume entre os turistas alimentar as gaivotas com biscoitos, que elas vêm buscar na nossa mão!

Lago Frias
O passeio que fizemos durou o dia todo. Partimos das proximidades do hotel Llao Llao, em direção a Puerto Blest, um pequeno e pitoresco porto num recanto do Nahuel Huapi. No caminho, uma parada para uma caminhada num bosque, vista de uma linda cachoeira semicongelada, e um lago supostamente congelado (o qual não chegamos a ver, pois o tempo não permitiu).

Cachoeira congelada

Desembarcamos em Puerto Blest, onde há um hotel. Almoçamos no restaurante do hotel, para em seguida sair de ônibus em direção ao Lago Frias. Lá, embarcamos de novo e navegamos entre fiordes e montanhas majestosas, cobertas de neblina, até o outro lado, onde fica a fronteira com o Chile. Se você assistir Diários de Motocicleta, preste atenção no passeio de barco que Che Guevara faz com seu amigo por esse mesmo lago. O único cuidado nesses passeios é agasalhar muito bem as crianças, pois trata-se de um longo dia ao ar livre com o vento do barco. Mesmo no verão, leve agasalhos.

Vista do Cerro
Campanario
3. Circuito Chico: é o "city tour" de Bariloche. Como o centro é bem pequeno (dá pra andar a pé de um lado ao outro em meia hora), em Bariloche ao invés de city tour as agências oferecem uma volta pela região. É um passeio muito cênico, com lindas paisagens. Normalmente inclui um passeio de teleférico pelo Cerro Campanário, que oferece uma das vistas mais lindas da região, e uma parada na famosa estação de esqui, Cerro Catedral (http://www.welcomeargentina.com/catedral/index_i.html). Esquiar lá na alta temporada não é recomendável. Normalmente nas partes baixas a neve está empapada, e as filas para subir no teleférico podem tomar até 1:30h. Se você está interessado em esqui e quiser vir a Bariloche, considere a possibilidade de se hospedar no Cerro Catedral. Assim, você pode acordar cedo e subir para a parte alta da montanha antes da chegada das hordas de turistas em excursão.

No Cerro Bayo você fica acima
das nuvens
4. Cerro Bayo: uma estação de esqui linda e isolada, que fica na outra margem do lago Nahuel Huapi. O traslado até lá dura pouco mais de uma hora em uma estrada bem sinuosa. Ao chegar de van, é preciso subir de teleférico para chegar à base da estação, que fica no topo de uma montanha. A vista é impressionante, e tem uma pista bem pequena de trenó. Nessa não há teleférico, a gente tem que subir a pé toda vez que quiser escorregar, mas em compensação é de graça.

Lanchonete precária com a
melhor vista do mundo.
A alimentação é bem precária, há somente uma lanchonete com pouquíssimas opções. Mas a sensação de estar acima das nuvens que cobrem o lago e Bariloche, as pistas vazias e o contato com a natureza que se tem nessa estação são raridades. Vale a pena! Para chegar ao Cerro Bayo, atravessamos a Villa Angostura, uma vila pequenina, charmosa e aconchegante, onde dizem que há algumas boas opções de hospedagem em pequenas pousadas, caso você se canse do agito de Bariloche.

Nahuel Huapi
5. Passear e comprar na cidade: o centro não requer city tour, mas é um ótimo passeio pra se fazer a pé, nos finais de tarde depois de voltar dos passeios. Os restaurantes, lojinhas e as excelentes chocolaterias são encantadores e acolhedores. Fazer compras em Bariloche é um programa imperdível: os preços são muito bons e a cidade é bem simpática. Se quiser deixe para comprar lá seus casacos, luvas e calças para a neve, logo no primeiro dia, pois vale a pena.

Catedral: simpática.
Os restaurantes estão na Mitre e suas transversais, enquanto que as lojinhas de roupas e souvenires ficam predominantemente na própria avenida. Entre essas duas avenidas fica também o centro cívico de Bariloche, e você ainda pode visitar a catedral da cidade, uma igreja bem simpática. Uma caminhada pela avenida da orla, junto ao belíssimo lago, é muito agradável num dia de sol. Todos esses locais ficam bem próximos uns dos outros, e podem ser explorados a pé numa tarde.

Além de restaurantes, lojas, chocolaterias, o lago e a catedral, Bariloche oferece também muitas opções de balada para os adolescentes. O único inconveniente é que a noite na Argentina começa muito tarde - chegar antes da uma da manhã, nem pensar! Mas, em nossa opinião, apesar das boates de Bariloche serem muito animadas, não são diferentes de lugares semelhantes em outras cidades. As atrações que você pode ver de dia, por outro lado, são imperdíveis. Em outras palavras, acreditamos que não vale a pena trocar os dias de passeio pelas noites de balada, a não ser que você seja de ferro e aguente acordar no dia seguinte com pique para passear.

Então, se você estiver interessado num lugar bonito, próximo ao Brasil, com muitas opções de passeios, Bariloche é uma excelente opção!

Texto gentilmente revisado por A.K.Arahata.

23 comentários:

  1. Adorei as dicas! Quando eu for viajar, com certeza, irei incomodá-los rsrs... bjs Rosania

    ResponderExcluir
  2. Pode mandar seus comentários, e compartilharemos nossas opiniões e experiências!

    ResponderExcluir
  3. Qual o hotel melhor para hospedagem com criancas?
    Melhor em termos de custos x beneficios.

    ResponderExcluir
  4. Irene,
    Faz já alguns anos que fomos a Bariloche, então não temos informações atualizadas sobre hospedagem na cidade. O que podemos dizer é que, em primeiro lugar, você tem que escolher se quer se hospedar no centrinho (muito prático e bom se você gosta de burburinho e de passear à noite) ou fora dele (pousadas charmosas e boas pra curtir a natureza).

    Nos dois casos, há inúmeras opções de hospedagem, muitas delas não muito caras. Em outras ocasiões (há muitos anos) já estivemos em hotéis 3* da cidade, de preço muito bom, e o atendimento/limpeza/charme não deixou nada a desejar.

    Depois que decidir o tipo de hotel que você quer, entre no Hoteis.com, no Tripadvisor.com, etc, para ler as opiniões daqueles que ficaram nos hoteis dessa região ultimamente.

    Quanto a "econômico", já faz alguns anos que Bariloche não é mais econômica em julho. A grande demanda, principalmente de brasileiros, fez o preço subir assustadoramente, então se você quer um custo-benefício melhor, talvez valha a pena procurar outra cidadezinha nos Andes. A escolha vai depender do que você quer (esqui, ver neve, apenas curtir um clima de montanha, etc).

    Se precisar de mais dicas, poste outro comentário!

    ResponderExcluir
  5. Vale muito a pena, se for possível, ir em agosto. Tem mais neve, os preços são melhores e não é tão cheio. E sai muuuuuito mais barato ir por conta própria do que por pacote. O ruim é que para em BsAs. Mas o preços compensa.

    ResponderExcluir
  6. Lali,

    Agradecemos o comentário. Na verdade já faz bastante tempo que estivemos em Bariloche, então com certeza de lá para cá muita coisa mudou!

    Uma delas com certeza são os preços, pois a cidade tornou-se um destino ainda mais procurado, o que inflacionou muito os pacotes.

    Continue postando!

    ResponderExcluir
  7. Também viajamos sempre em família. Estivemos em Bariloche em 2008 e 2011, as crianças amaram. Concordam com você sobre os pacotes e o voo direto, apesar de tantas críticas, viajei as 2 vezes pela CVC e foi tudo tranquilo.

    ResponderExcluir
  8. Gostei muito do blog. Parabéns! Viajarei em julho agora, pela CVC, para Bariloche com meu marido e minha filha de 10 anos. Não conhecemos neve e confesso que estou bastante preocupada com o frio. Como vocês também foram pela CVC, gostaria de saber:
    1- vocês acharam as roupas de neve, que a CVC disponibiliza, boas MESMO? Impermeáveis de verdade?
    2- tenho lido na internet que o ideal é alugar as roupas, caso não haja intenção de usá-las novamente, mas li em seu blog que você não recomenda o aluguel. É isso mesmo? As roupas para aluguel são muito ruins? Existe alguma loja em especial que você recomende para tais compras? No Brasil ou em Bariloche? Caso eu tenha que comprar algumas peças no Brasil, qual é a melhor alternativa? Decathlon?
    3- para comprar em Bariloche, não corro o risco de não encontrar tamanhos para toda a família? Não perderei muito tempo da viagem com isso?
    4- desculpe-me tantas perguntas, mas estou perdidinha. Você pode me ajudar?
    MUITO OBRIGADA!
    Nelma

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nelma,

      Para ver muitas dicas sobre como lidar com o frio, suba lá no topo do blog e clique na guia "Planeje Sua Viagem". Tem muitas dicas sobre todos os aspectos práticos de uma viagem com crianças.

      As roupas da CVC foram utilizadas por nosso filho e pelos avós, nos dias em que fomos para a neve. São macacões impermeáveis de verdade. Estavam bem limpas e conservadas na época em que estivemos lá, mas note que já faz muitos anos.

      Se quiser comprar as roupas, naquela época Bariloche era bom e não muito caro. Dê uma caminhada pela Mitre e pesquise preços. As lojas são praticamente coladas umas às outras, então você não vai perder muito tempo.

      Basta uma calça de neve, um casaco, um par de luvas, um gorro ou faixa para orelhas e um par de botas para cada um. A neve não suja a roupa, então você pode usar a mesma todos os dias, trocando apenas as roupas de baixo (minhocão ou legging e blusa de manga longa).

      Além da roupa de neve, vai precisar de mais casacos, malhas, etc, para outros tipos de passeios.

      Excluir
  9. Boa noite! Antes de mais nada gostaria de parabenizá-los pelas informações super úteis!! já fui a Bariloche no verão com meu esposo, achei belíssimo! Agora estamos indo agora em junho (22 à 29)com toda a familia, somos em seis. Gostaria de tirar algumas dúvidas:
    1. Qual o melhor local para trocar real por pesos?
    2. Como somos em seis, seria melhor alugar um carro ou fechar os passeios aqui no Brasil?

    Agradeço a atenção,

    Raquel - Recife

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Raquel,

      Agradecemos os comentários. Já faz alguns anos que estivemos em Bariloche, então algumas coisas podem ter mudado. Como é uma cidade bem turística, tem casas de câmbio espalhadas pelo centro.

      Quanto à questão dos passeios, como você não vai durante o pico da estação (férias de julho), então talvez possa deixar pra decidir quando chegar lá. Só lá para ver o que há disponível e os preços. Se reservar por aqui, é quase certo que acabará pagando mais caro (ou o mesmo preço).

      Alguns lugares de Bariloche são bem acessíveis, dando pra ir de carro, enquanto que outros são de difícil acesso, inclusive com gelo na estrada. Nesses, é melhor ir de tour.

      Esperamos ter ajudado!

      Excluir
  10. Alexandre Magnus23 junho, 2012

    olá Boa dia, estamos querendo fazer um tour em Bariloche aproximadamente em 4 dias, gostaríamos de saber se o bairro Melipal tem uma boa localização, se fica perto do centro e se tem tudo que eu preciso por lá. Obrigado e parabéns pelos relatos.

    ResponderExcluir
  11. Olá. Adorei o post. Você disse no início que viajou com crianças de 1 a 3 anos. Quero ir na primeira semana de agosto do ano que vem com um menino de 2 anos. Vc acha que ele aguenta o frio? Não será trabalheira demais com um pequetito? Obrigada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se você comprar roupas adequadas - casaco e calça impermeáveis, botinhas e luvas - não deverá ter problemas. Afinal, nos lugares frios também moram crianças, não é mesmo?

      Excluir
  12. Olá. Adorei o post. Você disse no início que viajou com crianças de 1 a 3 anos. Quero ir na primeira semana de agosto do ano que vem com um menino de 2 anos. Vc acha que ele aguenta o frio? Não será trabalheira demais com um pequetito? Obrigada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como gostaria que voce visse esse comentário! To indo com meu pequeno de dois anos dia 17 de Agosto! Vc teve muito trabalho? Onde se hospedou? e quanto ai frio? O que ele achou?

      Excluir
    2. Vou dia 17 de agosto! O seu pequerrucho gostou? O meu tb tem dois anos e me preocupo demais!

      Excluir
  13. Ola.. Adorei suas dicas. Vou dia 24 de abril.com meu namorado e meus pais. Vamos.ficar somente 3 dias.. Gostaria que vc me disesse quais os ligares que n posso deixar de ir.. Podes me.ajudar'? Obrigada

    ResponderExcluir
  14. Seu Hotel ficava no Cerro Catedral?

    ResponderExcluir
  15. Seu hotel ficava no Cerro Catedral

    ResponderExcluir
  16. Olá! adorei as dicas! Gostaria de saber como é o clima la em final de abril-inicio de maio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Ana,
      Só estivemos em Bariloche no alto verão e em pleno inverno. No inverno é bem frio e nevado. No verão, ensolarado e agradável durante o dia, e frio à noite. Então, imaginamos que no outono deva ser algo intermediário entre os dois, ou seja, um pouco mais frio que o verão, e menos gelado do que o inverno!

      Excluir

Mande seus comentários, perguntas ou mais dicas sobre este destino.